Senador Omar Aziz avalia que “pressão colocada sobre os profissionais de segurança nas cidades é a principal causa de desestabilização mental dentro das corporações”

O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da Comissão de Segurança Pública do Senado (CSP), avaliou que a pressão colocada sobre os profissionais de segurança nas cidades é a principal causa de desestabilização mental dentro das corporações.

“O policial civil ou militar não é uma máquina. Ele não é um equipamento que funciona se você apertar um botão. Ele é um ser humano. Com o passar do tempo, dentro da polícia, vendo tantas dificuldades e tantas arbitrariedades que são cometidas contra a população, alguns policiais, vão perdendo a sensibilidade e sofrendo com problemas psicológicos.”, disse Omar.

O senador também observou que falhas na segurança das fronteiras contribuem para o problema, pois o tráfico de drogas que chega às cidades e sobrecarrega as polícias deveria ser contido nas entradas do país. Ele anunciou a intenção de convidar o novo ministro da Defesa, Walter Braga Netto, para falar à CSP sobre os planos da pasta para essa área.

“Nós temos projetos e queremos apresentar projetos dentro da Comissão de Segurança Pública para fazer esse tipo de trabalho em conjunto com todos os senadores. A iniciativa do senador Alessandro Vieira, que vem da Polícia, é espetacular. Por isso, apoio este projeto para implementação de ações de prevenção ao suicídio entre profissionais de segurança pública e defesa social”, enfatizou Omar.

O PL

O Plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (6) o projeto de lei que inclui ações voltadas para a promoção da saúde mental e prevenção ao suicídio no Programa Pró-Vida, voltado para profissionais de segurança pública. O PL 4.815/2019, do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), foi aprovado com votação unânime e segue para a análise da Câmara dos Deputados.

O Programa Nacional de Qualidade de Vida para Profissionais de Segurança Pública (Pró-Vida) foi criado pela Lei 13.675, de 2018, que disciplina políticas públicas nacionais para o setor. O objetivo do programa é oferecer atenção psicossocial e de saúde no trabalho aos profissionais de segurança pública. O projeto inclui na lei ações para promoção da saúde mental, cuja execução deverá ser pactuada entre União, estados e municípios, e combate a discriminações e preconceitos.

Também determina que o Pró-Vida publique anualmente dados sobre transtornos mentais e suicídio entre profissionais de segurança. O programa, além disso, passará a oferecer acompanhamento a familiares.

Fonte: Agência Senado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *