BEBÊ QUE TERIA SIDO TROCADA POR BEBIDA É ENCONTRADA COM UMA FAMÍLIA: “EU DEI AMOR DE MÃE PARA ELA, CUIDEI E ALIMENTEI MINHA FILHA”

A bebê Ana Beatriz Freitas Marques, de 5 meses, foi localizada nesta quarta-feira (27), na casa de uma auxiliar de serviços gerais, Rosilene da Costa Assunção, que acolheu a criança nos últimos dois meses.

Após a divulgação da foto da criança pela Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) e aos anúncios feitos pela Polícia Civil, além de matérias da mídia sobre o desaparecimento notificado pelo Conselho Tutelar da Zona Sul, Rosilene procurou a delegacia e contou que estava cuidando de Ana Beatriz como mãe.

A mãe biológica contou que teria entregue a bebê a um casal em troca de dose de bebida alcoólica. Moradora de rua, vive em condições de extrema vulnerabilidade social, tendo ainda epilepsia. Ela vivia com a criança pela orla da Manaus Moderna, Centro, sendo acompanhada pelo Conselho Tutelar, que deu falta da bebê.

Chamada por Rosilene de Maria Vitória, a Ana Beatriz será encaminhada ao acolhimento social e a auxiliar de serviços gerais vai requerer sua guarda provisória e buscar fazer a adoção legalmente. Com seis filhos já criados, tendo o mais novo 12 anos, Rosilene pegou a bebê para criar, com o consentimento da mãe, conforme falou na Depca hoje. Ela nega ter dado bebida para a genitora em troca da criança.

“Vi a Ana Beatriz com a mãe, embriagada, zonza, e ela estava com machucado no rosto, chorando, com fome. Peguei ela no colo e conversei com a mãe que poderia cuidar dela como se fosse minha filha. Então, ela permitiu e a levei para casa. A minha filha estava muito desnutrida, e sobreviveu a fome, noites frias, vários riscos na rua”, falou Rosilene, emocionada e chorando, durante coletiva de imprensa na delegacia.

Para a auxiliar, a criança foi um presente de Deus na sua vida, podendo dar amor de mãe para ela, fazendo ela feliz, bem nutrida e saudável. Como trabalha no Centro, Rosilene contou que voltou várias vezes ao local onde pegou a Ana Beatriz, para localizar a mãe biológica, mas nunca teve sucesso. “Espero que a criança não volte para os pais, que não volte para a situação que se encontrava antes. No meu coração, se eu puder adotar, quero ela como minha filha”.

A delegada Juliana Tuma, titular da Depca, contou que a mãe biológica inicialmente disse que a bebê teria sumido durante um ataque de epilepsia. “Depois, confrontada, ela disse que entregou a filha a um casa por uma dose de bebida, mas que não sabia quem era. Conseguimos encontrar a criança sã e salva e com o apoio da população”, afirmou.

Para Juliana, a mulher que acolheu a bebê ficou penalizada com a situação encontrada na rua e criou vínculo emocional, mas que infelizmente, por não estar com a guarda regularizada, a criança será, neste momento, encaminhada ao acolhimento.

Desaparecida

Nas últimas horas, equipes da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) estavam nas ruas procurando a pequena Ana Beatriz, que foi dada como desaparecida desde o último dia 22.

A bebê sempre era vista com a mãe, uma moradora de rua, na área da orla da Manaus Moderna, Centro. O caso chegou até a Depca por meio do Conselho Tutelar da Zona Sul, que acompanhava a situação da mãe e filha pela situação de vulnerabilidade social.

Segundo a delegada titular da especializada, Juliana Tuma, a mãe foi indiciada no artigo 238, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que é “prometer ou efetivar a entrega de filho ou pupilo a terceiro, mediante paga ou recompensa”.

 

FONTE: PORTAL DO MARCOS SANTOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *