ARTHUR E ROTTA DÃO INÍCIO A RECUPERAÇÃO DO ANTIGO RAMAL IPIRANGA

 

 

Há quase 30 anos morando na rua Marapatá, antigo ramal Ipiranga, o produtor rural Raimundo Nascimento Lima viu nesta terça-feira, 11/7, a chegada das máquinas e homens da Prefeitura. Aos 52 anos de idade, ele comemora o começo das obras de recapeamento no local, que vão beneficiar o escoamento da produção de hortaliças de quase cem agricultores.

 

“Aqui, quando chovia era muita lama, quando fazia sol era só poeira, o que tornava difícil o escoamento da nossa produção. Hoje é um dia de vitória, que vai trazer mais qualidade de vida e garantir a renda das nossas famílias”, disse Raimundo, que é o presidente da Associação dos Produtores Rurais do Novo Brasil, que hoje possui 42 plantações de alface do tipo hidropônica, entre outros alimentos orgânicos.

 

A ordem de serviço para o começo dos trabalhos no local foi dada pelo prefeito Arthur Virgílio Neto, que foi recebido com muito entusiasmo pelos moradores da área nesta manhã. Serão dois quilômetros de recapeamento, trabalhando a base para que o serviço dure bastante tempo. Pelo menos mil pessoas devem ser beneficiadas com a ação.

 

“Vimos aqui um verdadeiro mar verde. Um mar de hortaliças, todas com quase zero de agrotóxico. O nosso objetivo é facilitar a libertação econômica dos agricultores que aqui vivem”, destacou o prefeito, anunciando também a chegada da iluminação a LED na comunidade, que irá garantir também uma maior segurança aos moradores.

 

Segundo o vice-prefeito e secretário municipal de Infraestrutura, Marcos Rotta, essa era uma reivindicação antiga e, em conversa com a comunidade, ele garantiu a realização de outras melhorias, como a criação de uma nova rede de drenagem numa via transversal ao antigo ramal.

 

“Fizemos um levantamento das principais necessidades, no que diz respeito à infraestrutura dessa área, e ouvindo as pessoas surgem também outras demandas. Aos poucos, com muita responsabilidade, vamos cumprindo o nosso papel, que é o de melhorar a vida do povo manauara”, afirmou.

 

Ao todo, a rua Marapatá possui oito quilômetros de extensão, mas por conta do litígio judicial de uma propriedade privada com a União não é possível avançar com os serviços da Seminf em toda sua extensão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *