FIEAM ENTREGA PRÊMIOS DA QUALIDADE 2019

As empresas Yamaha Motor da Amazônia, Semp TCL e Panasonic do Brasil foram as ganhadoras do troféu Ouro na categoria Grande Indústria, na cerimônia do Prêmio Qualidade Amazonas (PQA), o Qualishow, realizado ontem, 28, no Diamond Convention Center. As campeãs mostraram evolução em seus projetos na atuação de melhorias nos seus processos no polo de duas rodas e eletroeletrônicos.

As empresas Yamaha e Panasonic saíram do troféu prata em 2018 para o ouro nesta edição. Com projetos voltados, respectivamente, para melhoria nos processos de fabricação de tanques de combustíveis e na baixa produtividade no setor de Inserção Automática de Componentes (IAC), local que produz placas para TV, micro-ondas, refrigerador e máquina de lavar; as empresas tinham este ano na mira o troféu ouro.

“Estávamos há dois anos ganhando prata e para voltar a ganhar a primeira colocação, reunimos os gestores e fizemos um trabalho mais focado para apresentar no PQA deste ano. Internamente incentivamos muito os nossos grupos de trabalho, hoje representados pelas áreas de solda e componentes, esses grupos são ganhadores internos, mas hoje eles não querem só ganhar internamente, miram ganhar de outras empresas e ser o melhor entre todas”, disse Nobuo Miki San, diretor da Yamaha Motor.

A ganhadora também do troféu ouro, Semp TCL, apresentou melhorias para redução do índice de falhas no processo de tecnologia de montagem superficial, parte integrante do departamento de inserção automática de componentes que tem por objetivo garantir maior controle sobre a qualidade dos produtos. Premiada com Menção Honrosa ano passado, este ano a empresa de eletroeletrônico conquistou o troféu ouro.

“A gente percebeu que com o primeiro projeto conseguimos envolver todos os departamentos e alcançar bons resultados. A nossa meta era atingir patamares de outras unidades da TCL. Inicialmente, a gente queria só igualar as metas que existiam nas outras plantas da TCL, principalmente da China, aí com o projeto a gente conseguiu resultados muitos melhores, sendo bem visto por toda a organização”, disse Antonio Marcos da Silva, gerente de qualidade da Semp TCL.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), Antonio Silva, na oportunidade agradeceu e parabenizou as 32 organizações públicas e privadas participantes do Prêmio Qualidade Amazonas 2019, além dos profissionais que participam voluntariamente na seleção dos projetos.

“Começamos pequeno, com o evento lá dentro da própria FIEAM, e ao longo desses anos tivemos a adesão do general Villas Boas que incentiva a participação das organizações militares como um todo e hoje disputam em igualdade com a iniciativa privada, o Exército, a Marinha e a Aeronáutica”, ressaltou ele, ao homenagear aqueles que “fazem acontecer” dentro das empresas e das organizações.  

Na modalidade processo foram premiadas também, com o troféu prata, as indústrias de grande porte Showa do Brasil, Tutiplast, Masa da Amazônia, Britânia Componentes Eletrônicos, Moto Honda, Honda Componentes e Águas de Manaus. Com menção honrosa a empresa Caloi recebeu a placa em reconhecimento na melhoria do seu processo de criação da célula MKD, denominação de bikes que a empresa atribui aos modelos de altíssimo valor agregado.

O 1º Batalhão de Comunicações de Selva e o estreante Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA IV), na categoria governamental, também foram premiados com medalha de prata. Com o projeto “Acesso em Comunidades Ribeirinhas do Amazonas”, a Fundação Amazonas Sustentável (FAS), conquistou prata na categoria Organização Sem Fins Lucrativos.

Médias Indústrias do PIM vão da prata ao ouro no PQA 2019

A satisfação do cliente e melhoria na ergonomia dos colaboradores são o foco do projeto desenvolvido pela empresa Intelbras, ganhadora do troféu ouro na categoria média indústria, junto das empresas Harman da Amazônia, Elsys Equipamentos Eletrônicos e Sony Brasil. A melhoria no processo de fixação da lente das câmeras trouxe mudanças satisfatórias no aperfeiçoamento do produto acabado e na ergonomia dos colaboradores da produção.

O projeto de ajuste do foco identificou que com a fixação da lente manual e o aumento da demanda, a produção gerava dores nos dedos dos colaboradores e afetava no tempo e no ajuste correto do produto.

“Estamos vindo de um processo de aprendizagem desde 2017 com o PQA, dedicando horas e recursos da empresa para poder conquistar o tão sonhado troféu ouro. Ao todo estamos falando de mais de mil horas dedicadas para implementação do projeto em si que representa mais de 75% de participação da empresa no mercado”, contou o gerente da Intelbras, Alexandre Patuci, ao relatar que a ideia é fazer com que a unidade de Manaus seja referência e sirva como modelo para a matriz em Santa Catarina e a outra unidade em Minas Gerais.

Os projetos apresentaram evolução na premiação em comparação com o troféu prata no ano passado, conquistado pela Sony, Intelbras e Harman. Além delas, a empresa de eletroeletrônicos e telecomunicações, Elsys, com o projeto de automatização da cadeia de abastecimento via Kaban eletrônico, saiu da menção honrosa para o troféu ouro no PQA 2019.

Na modalidade processo, categoria média indústria, o troféu prata ficou as empresas Sodecia da Amazônia, Honda Lock, HDL da Amazônia e Yamaha Motor Componentes. Neste ano, a empresa 3M Manaus conquistou a menção honrosa em dois projetos, o primeiro voltado para melhoria da automação do processo de blistagem e aumento de produtividade, e o segundo trabalhando o desenvolvimento sustentável, reduzindo o número de itens enviados para incineração. A empresa Colortech também recebeu a premiação.

Marinha é destaque no seu modelo de Gestão

A Marinha do Brasil (MB) leva o troféu ouro com as organizações “3º Esquadrão de Helicóptero de Emprego Geral”, responsável pelo patrulhamento e assistência aos brasileiros habitantes de toda a Amazônia Legal, ou seja, 52% do território brasileiro; e com o modelo de gestão apresentado pela Estação Naval do Rio Negro, voltada para o apoio logístico na região amazônica, ambas subordinadas ao comando do 9º Distrito Naval.

O Esquadrão já mantém seu troféu ouro desde o ano passado em seu modelo de gestão, sendo a primeira dessas unidades aéreas de combate instalada fora do Rio de Janeiro (RJ). A missão desempenhada pela organização é de “prover meios aéreos em apoio às unidades de superfície, de tropa e às demais Organizações Militares da Marinha do Brasil, a fim de contribuir para a aplicação do poder naval na área do Comando do 9º Distrito Naval”.

De acordo com o Capitão de Corveta Leonardo Moraes Rodrigues do 3º Esquadrão a expectativa era grande para permanecer, pelo menos com a prata, já que trabalharam este ano para superar o desempenho avaliado em 2018 pela equipe do PQA.

“É o segundo ano que a gente participa na categoria 500 pontos. Ano passado foi um ano de muito aprendizado para a organização e baseado no nosso desempenho, de acordo com a avaliação feita pela equipe do PQA em 2018, nós procuramos refinar alguns processos e procedimentos internos, melhorar o que precisávamos melhorar”, disse o capitão de corveta Moraes.

Com a prata foram agraciados o Centro de Intendência da Marinha em Manaus e a 12ª Inspetoria de Contabilidade e Finanças do Exército. A medalha de bronze ficou com o 1º Batalhão de Comunicações de Selva. Concorrendo pela primeira vez no PQA 2019 e já alcançando a premiação máxima em suas categorias na modalidade gestão, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL Manaus) e o 7º Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA VII) foram premiados com o troféu 250 pontos.

A entidade ao setor varejista, CDL Manaus, participou com relatório de acordo com os critérios da modalidade gestão do PQA 2019. Disponibilizando o seu portfolio de produtos e serviços próprios e de soluções do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) para todos os segmentos de negócios, desde o comércio varejista e atacadista, serviços e indústria em Manaus e interior, a entidade, de acordo com o presidente, Ralph Assayag, contribui de forma decisiva para o desenvolvimento econômico e social da região.

“Entramos pela primeira vez no PQA com toda a vontade para mostrar o que uma entidade de classe pode fazer, além de dar oportunidade para os outros acompanharem o que nós fazemos com a gestão e isso  acaba de certa forma despertando e motivando entidades e empresas a participarem também. Quando você fala em gestão, é dentro das empresas, das entidades de classe, em tudo e ganhamos muito com isso”, relatou Assayag ao contar que no ano que vem pretende entrar com projetos na modalidade processos também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *